(11) 4210-6455

Sabemos que a dor da perda é grande. Por isso, vamos ajudar você a enfrentar uma situação chata, porém necessária: os pertences do ente querido. Confira!

Embora a morte seja a nossa única certeza, nunca vamos estar preparados para a despedida de quem amamos. Dizer adeus nunca foi fácil e muito menos ter que resolver as questões no pós-morte. Afinal, como lidar com os pertences do ente querido?

Alguns consideram a passagem algo divino, que envia a pessoa para um lugar melhor. E, no entanto, quem fica, mesmo que acredite nisso, sofre pela ausência e pelas lembranças deixadas.

Além das burocracias do velório e sepultamento ou cremação, os familiares precisam lidar com os pertences do ente querido. E como fazer isso? Quando é o momento certo? Vamos ajudar você com este post!

Quando mexer nos pertences do ente querido?

Alguns podem querer resolver de uma vez e não ter que ficar se martirizando pela circunstância. Enquanto isso, outros vão preferir adiar a tarefa o quanto for possível pelo desconforto.

Mas a verdade é que não há uma regra. O mais recomendável para isso é: não tenha pressa e faça no seu tempo. É importante saber que viver o luto é necessário. Isso é um processo que não pode ser adiado e nem apressado.

Quando passamos por uma perda, precisamos ter tempo de digerir a nova realidade para nos adaptarmos. Lidar com os pertences do ente querido é muito doloroso para algumas pessoas e apressar o momento pode ser ainda pior.

Nesse sentido, alguns familiares ou amigos podem querer ajudar e agilizar a tarefa.

Mas, é muito importante que a pessoa enlutada tome essa decisão no tempo dela e que as pessoas ao redor aceitem e entendam isso.

Como lidar com esse momento?

Agora que você decidiu que é hora de lidar com os pertences do ente querido, comece aos poucos e sem pressa.

Primeiro, as burocracias mais urgentes precisam ser enfrentadas, como documentos e exigências legais: notificação à empresa da pessoa falecida, questões do FGTS, processo de inventário ou testamento, procedimentos bancários, entre outras obrigações.

É recomendável procurar ajuda profissional para essas providências. Além disso, também é importante que você analise os documentos e a papelada da pessoa. Veja o que deve ser guardado e, após isso, separe e organize o que sobrar em um só lugar.

Quanto aos objetos pessoais da pessoa querida, um primeiro passo é justamente olhar para eles. Afinal, é comum que evitemos isso a todo custo.

Mas, se você está decidido a dar esse passo, precisa tocar e olhar os itens. E compreenda que as lembranças não estão nas coisas e sim na sua memória. Então, não caia na armadilha de querer ficar com roupas, por exemplo, para guardar de lembrança.

Aliás, não deixe de convidar alguém para ajudar você nesse processo caso se sinta muito desconfortável. Duas pessoas juntas pensam melhor do que uma e pode ficar mais fácil tomar decisões quando contamos com a opinião de outros.

O que fazer com os pertences do ente querido?

Então, se você já tomou a sua decisão de mexer nos pertences do ente querido, comece a pensar no que poderia fazer com cada item.

Por exemplo, você pode começar separando o que pode ser doado e o que não dá para aproveitar. Roupas e calçados conservados, produtos e alimentos na validade, objetos de valor não sentimental, como livros, relógio, cintos, entre outros objetos, podem ser doados.

Para isso, entre em contato com pessoas próximas que possam ajudar a encontrar quem precisa, como amigos, escolas, abrigos, pessoas em situação de rua, ONG ‘s.

Doando ou se desfazendo, esse momento exige muito autocontrole emocional e você precisa estar pronto para isso. Portanto, não apresse essa decisão e nem precisa fazer tudo de uma vez só. Faça aos poucos, se for necessário.

Além disso, verifique se não há itens emprestados, pois estes devem ser devolvidos. Separe-os e entre em contato com o responsável. Caso a pessoa não queira mais, pode colocar para doação também.

Vale lembrar que você pode guardar fotos ou itens de valor sentimental da pessoa que faleceu, só tenha cuidado para isso não fazer mais mal do que bem.

Por fim, agora que você já entendeu como lidar com os pertences do ente querido, saiba que há muitos outros conteúdos aqui no site para ajudar você a passar pelo seu processo de luto. Confira!

×